Por que mulheres se lesionam mais?

por que mulheres se lesionam mais

por que mulheres se lesionam mais

Você sabia que as mulheres se lesionam mais do que os homens? Diante desse fato, muitas pessoas se perguntam por que mulheres se lesionam mais. 

De fato, até recentemente, a participação das mulheres em atividades esportivas de alto impacto era significativamente menor do que a dos homens. Isso tornou as estatísticas sobre desempenho esportivo e lesões muito escassas. 

No entanto, o aumento exponencial de mulheres que praticam esportes em todos os níveis e sua crescente incorporação em esportes como o futebol, tornaram possível expandir as pesquisas e aprofundar as diferenças entre um gênero e outro em diferentes facetas relacionadas à prática de exercício.

No que diz respeito às lesões, as estatísticas indicam que há uma série de danos aos quais as mulheres são mais propensas. Entre todos esses danos, destacam-se lesões no joelho e, portanto, as mulheres passam mais por cirurgia no joelho.

Condições fisiológicas, hormonais e anatômicas fazem essa diferença. Na verdade, estima-se que as mulheres tenham um risco de lesão no joelho até quatro vezes maior do que os homens. 

Ao longo desse artigo você aprenderá mais sobre por que mulheres se lesionam mais.

Por que mulheres se lesionam mais?

Fatores anatômicos

A anatomia da mulher é projetada em antecipação a uma possível gravidez e parto vaginal. Dessa forma, a largura dos quadris é maior do que a do homem. 

Essa diferença facilita o desenvolvimento e o crescimento do bebê durante a gravidez e o trabalho de parto, uma vez que chega a hora de dar à luz. 

No entanto, essa maior largura da pelve repercute em uma alteração dos ângulos dos ossos que convergem na articulação do joelho. Esse alinhamento forçado da articulação do joelho em relação ao quadril o torna mais vulnerável a lesões.

Por outro lado, a clivagem na qual o Ligamento Cruzado Anterior (LCA) está alojado, o ligamento que mais contribui para dar estabilidade ao joelho, é mais estreita nas mulheres, de modo que elas são mais propensas à ruptura. 

Um LCA quebrado torna a articulação do joelho mais instável, o que, por sua vez, acelera o desgaste articular e favorece o aparecimento de osteoartrite prematura.

Fatores hormonais

Os estrogênios, os hormônios femininos por excelência, têm uma influência direta na frouxidão dos tecidos. 

Isso torna as mulheres, via de regra, mais flexíveis do que os homens, o que as torna mais adequadas para certos esportes, mas também as torna um alvo fácil para lesões no joelho, já que os tendões e ligamentos responsáveis por estabilizar o joelho e segurá-lo em momentos críticos, como corrida, curvas, saltos … são mais frouxos e desempenham essa função pior.

Por outro lado, existem estudos que mostram que o ciclo menstrual causa alterações na proliferação e síntese de colágeno e fibroblastos, dois compostos essenciais para dar consistência, força e tônus aos tecidos. 

Da mesma forma, os contraceptivos orais e a fase pré-ovulatória também têm um impacto na frouxidão muscular, o que aumenta o risco de lesões.

Aqui é essencial verificar se tudo está correto com a mulher e seus hormônios. Um exame chamado vídeo histeroscopia com biópsia pode ser útil para verificar se o interior do útero está em condições normais ou anormais. 

Fatores musculares

Como regra geral, as mulheres têm tônus muscular mais baixo por uma mera razão fisiológica. 

Esse fato é especialmente relevante quando se trata de isquiotibiais, quadríceps e nádegas médias, uma vez que esses músculos são responsáveis por dar estabilidade ao joelho e mantê-lo alinhado com o quadril e o resto do tronco. 

Tê-los menos tonificados torna o joelho feminino mais instável e também está mais exposto a torções e movimentos forçados que podem terminar em lesões.

O que as mulheres podem fazer para evitar essas lesões?

Felizmente, as mulheres podem tomar medidas para reduzir as chances de sofrer essas lesões. A taxa de lesões em mulheres pode diminuir se os músculos forem fortalecidos, especialmente os isquiotibiais (localizados na parte de trás da coxa) e os músculos mediais (um dos principais músculos encontrados ao longo do interior da coxa e do joelho). 

Uma análise de 2012 da literatura médica concluiu que os programas de treinamento para prevenir lesões foram altamente eficazes, reduzindo-os em mais de 50% para mulheres (e 85% para homens).

Treinamento para mudar a direção de ambos os pés (em vez de um), treinamento para pousar de saltos em uma posição mais segura e programas de levantamento de peso que se concentram em músculos específicos também podem ser eficazes.

Conclusão

Uma atleta do sexo feminino pode estar tão apta (ou mais) que sua contraparte masculina, no entanto, parece haver vulnerabilidades diferentes entre homens e mulheres a certas lesões atléticas. 

A falta de reconhecimento, uma compreensão incompleta de porque os riscos de lesões aumentam entre as mulheres e programas de treinamento atlético que não levam em conta essas diferenças fazem parte do problema. 

Vale lembrar que as lesões não se dão apenas em um ambiente esportivo. As mulheres que trabalham na frente do computador também têm riscos de lesões. De fato, digitar o dinheiro inteiro pode causar problemas no pulso, cotovelos e mão.

Diante de qualquer adversidade ou dor é fundamental ir até um ortopedista especialista em mão para que ele possa verificar se não há nenhuma lesão mais grave.

No entanto, existem algumas maneiras de neutralizar isso. 

Embora a anatomia e a biologia não possam ser facilmente modificadas, a diferença nas taxas de lesões entre atletas do sexo masculino e feminino é uma razão para promover pesquisas adicionais para que possamos entender melhor essas diferenças e descobrir como prevenir lesões em ambos os sexos.

Saiba também: O que são óleos essenciais?